#8

Talvez esperassem que o tivesse assimilado. Afinal, "ninguém" no seu perfeito juízo cai, por duas vezes, na mesma asneira. O ciclo repete-se; tenho tendência para isto. Mais uma vez o coração em alvoroço, pequenino, pequenino e a querer ser tão grande. Porque pedem eles Amor, porque demandam que os ame, que os adore, que faça deles mundo? Quando, no exacto momento em que tal se torna uma realidade, me derrubam da inebriação? Vou a medo, tenho receio... Abro as asas, bato-as duas vezes e é vê-los a serem os primeiros com as pedras na mão.

Arquivado em: , ,
por oliviaf às 11:28 | link