Quarta-feira, 21.05.14

#17

Deixa-me ser Olivia nos teus braços.

Arquivado em: ,
por oliviaf às 02:26 | link | comentar
Quarta-feira, 14.05.14

#16

"Promessas? Foram as promessas de um miúdo de dezassete anos, apaixonado! Dezassete anos, caramba. De que estavas à espera? Somos tão idiotas com essa idade, fazemos tanta merda... Mudamos tanto, somos tão incrivelmente voláteis. Como é que acreditaste nesses sentimentos com tanta convicção, ao ponto de te magoar assim? Claro que não era ele quem ia ficar, ele ainda tem demasiado para ver e fazer até descobrir que cometeu o maior erro da vida dele. Não deixes que isso te destrua, a culpa não é tua. Já sofreste o suficiente, Olivia! Vai ficar tudo bem."

por oliviaf às 08:07 | link | comentar
Domingo, 06.04.14

#13

Hoje não estudei, após semanas imensamente capaz. Mais uma frequência pelo caralho. Hoje não chorei, porque esvaziei o peito e esgotei as lágrimas durante a noite. Hoje não dormi. Hoje aprendi que nunca ninguém fará de mim prioridade e que está na altura de deixar de o fazer também. Hoje decidi não mendigar atenção, nem forçar a passagem dos monólogos a diálogos. 

Tudo isto quando finalmente volto a mim, quando deixo de ser um fantasma, quando torno o passado cicatriz e não âncora. Digam-me, alguém que me diga por favor, porque insistem eles em iludir-me? Porque insistem eles em dizer-me que tudo será diferente? Porque é que me fazem amá-los, quando são os primeiros a fugir quando derrubo todos os meus medos e os amo de volta? Digam-me: ninguém merece, pois não?

Arquivado em: , , ,
por oliviaf às 22:08 | link | comentar
Segunda-feira, 04.11.13

#8

Talvez esperassem que o tivesse assimilado. Afinal, "ninguém" no seu perfeito juízo cai, por duas vezes, na mesma asneira. O ciclo repete-se; tenho tendência para isto. Mais uma vez o coração em alvoroço, pequenino, pequenino e a querer ser tão grande. Porque pedem eles Amor, porque demandam que os ame, que os adore, que faça deles mundo? Quando, no exacto momento em que tal se torna uma realidade, me derrubam da inebriação? Vou a medo, tenho receio... Abro as asas, bato-as duas vezes e é vê-los a serem os primeiros com as pedras na mão.

Arquivado em: , ,
por oliviaf às 11:28 | link | comentar
Quinta-feira, 10.10.13

#6

Sim, o tempo ajuda. O tempo passa e vou vencendo as estações, os meses, as semanas, os dias e os diferentes momentos destes. Tinham razão, sobrevivi. Estou aqui - voltei a estudar, a rir com vontade, a conviver com outras pessoas, a fazer refeições decentes e ele deixou de me aparecer tão frequentemente em sonhos. Sobrevivi... O que não significa que esteja a viver. Tudo se torna um bocadinho impossível quando ainda procuro o cheiro, o abraço e a voz para me afagarem ao final do dia.

Arquivado em: , ,
por oliviaf às 12:51 | link | comentar
Quarta-feira, 12.06.13

#3

Olho para ti ainda incrédula, ainda céptica, ainda descrente. Sim, olho para ti com sinónimos.

Arquivado em: ,
por oliviaf às 23:44 | link | comentar | Ver comentários (1)
Terça-feira, 11.06.13

#2

É um disparate querer ser quando o corpo ainda se encontra sintonizado para outros seres.

Arquivado em: ,
por oliviaf às 22:33 | link | comentar | Ver comentários (1)

Arquivado em

• Outros Arquivos

RSS